Bem-vindo à página do Provedor de Justiça - Uma instituição aberta aos cidadãos

Nota à navegação com tecnologias de apoio

Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação: motor de busca (tecla de atalho 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Provedor de Justiça - Na Defesa do Cidadão
Pesquisar
Provedora lamenta a morte de Maria Alberta Menéres, primeira responsável pela Linha da Criança

A Provedora de Justiça, Maria Lúcia Amaral, lamenta a morte de Maria Alberta Menéres que deixou neste órgão de Estado um valioso legado orientado para a defesa dos direitos dos mais jovens.

Maria Alberta Menéres foi assessora da Provedoria de Justiça entre 1993 e 1998, tendo sido a primeira responsável pela linha telefónica gratuita dedicada aos mais novos, que batizou de  "Recados da Criança", hoje Linha da Criança. Nomeada pelo então Provedor de Justiça, José Menéres Pimentel, foi a sua voz a primeira a atender os que, com tenra idade, ainda hoje se nos dirigem em busca de aconselhamento.

Escritora, professora, autora de inúmeros programas televisivos para crianças, Maria Alberta Menéres deixa-nos aos 88 anos, e deixa-nos uma vasta obra viva fruto da sua imensa dedicação aos públicos mais jovens.

A Linha da Criança, sucessora dos seus "Recados da Criança",  é uma linha telefónica gratuita - 800 20 66 56 - especialmente vocacionada para os problemas de crianças e jovens que se encontrem em situações de risco ou perigo, como sejam os casos de maus tratos, negligência, carências familiares (económicas mas não só), abandono ou dificuldades escolares. Questões sobre regulação das responsabilidades parentais e regime de visitas são igualmente respondidas através deste meio.

Seguindo a inspiração Maria Alberta Menéres, os colaboradores do Provedor de Justiça que fazem o atendimento da Linha da Criança prestam um atendimento personalizado e, com informalidade e rapidez, disponibilizam os esclarecimentos pretendidos, podendo, se o caso o justificar, encaminhar a situação para as entidades competentes (por exemplo, para a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens) e contactar com as instituições pertinentes (como os estabelecimentos de ensino se, em concreto, estiverem em causa problemas escolares).

2019-04-16

Última atualização a 2019-05-24
Acessibilidade
©2012 Provedor de Justiça - Todos os direitos reservados